S e p a r a r  o  t r i g o  d o  j o i o
     

  
Livraria | Software Finbolsa | Slide show Finbolsa | MetaStock 11 | Cotações por Email

Mapa do site

Curso Online | Loja Finbolsa | Tour Histórico | Links | FAQ

< Homepage | Contactos

  
Painel de Empresa
O essencial para avaliar uma empresa
Tendências
Gráficos de curto e longo prazo de índices/acções
Navegação Histórica
Portugal desde 1983
Espanha desde 1986
Dow 30 desde 1900!
Cotações fim-de-dia
Para 10 mercados e índices
Masterlist essencial
PER, PCF, PBV, Div. Yield e outros rácios essenciais
Análises e Artigos
Análises por empresa
Análises desvinculadas
Artigos desvinculados
An. e Art. mais recentes

Balanços
Balanços e Dem. Res.
Dados Económico Fin.
Dados Trimestrais

Rácios
Económico Financeiros
Económico Bolsistas
Bolsistas

Tabelas Comparativas com exemplos
V.Nominal, NºAcções
Lucros Corrig. e Prev.
Res., C.Flow Operac.
Vendas, S.Líquida
Aut.Fin., Rent., Margem
Lucro/Ac, Div/Ac, Prod.
C.B., E.V., EV/EBITDA
High, Low, YtoDate
Volati., Beta, Intraday

  
Participe na Competição Global!
  
  
TOUR HISTÓRICO PELA BOLSA PORTUGUESA

1983 a 1986 - Ascensão Sustentada de uma Mini-Bolsa

O mercado de acções português conheceu um grande desenvolvimento nos últimos anos graças às privatizações e à introdução do sistema de negociação em contínuo. Nesta página procuro dar uma ideia do que foi a história da Bolsa de Lisboa nas últimas décadas. Esta descrição está, necessariamente, resumida e representa apenas o meu limitado ponto de vista como observador e interveniente.

Nos anos imediatamente anteriores a 1973 assistiu-se a uma forte alta das acções, acompanhada de aumento do volume de negócios, premiando uma industrialização bem sucedida, nos anos 60 e 70, pelo antigo regime. Em 1973, o choque petrolífero que varreu a economia mundial causa uma importante queda que ficará histórica. Na sequência da revolução de Abril de 1974 a Bolsa fechou e as principais empresas do país foram nacionalizadas, sem que os accionistas nacionais recebessem uma justa indemnização (ao contrário dos estrangeiros). Em 1977, em pleno PREC, a Bolsa reabre timidamente e assiste-se, logo nos primeiros dias a uma queda vertiginosa do índice BTA (o mais famoso na época), seguida de alguma recuperação. Entre 1977 e 1983 o índice sobe consistentemente à medida que se dissipam os receios de novas revoluções e a situação económica melhora.

De 1983 a 1986 o número de empresas cotadas é de cerca de 20, os capitais sociais muito pequenos, da ordem das centenas ou mesmo dezenas de milhares de contos, e o volume de negócios na Bolsa irrisório, pelos padrões actuais. As empresas mais interessantes neste período são Marconi, Caima, Inapa, CISF, Efacec, Vidago, Torres Novas, Capital Plus (na altura Mabor), F.Ramada, Lisnave, Grão-Pará e Estoril-Sol. Mas as cotações começam a subir em 1983 e subirão fortemente até 1986. Só para dar uma ideia, em 1983 as cotações da Caima rondavam os 7 contos e sobem paulatinamente até perto dos 60 em finais de 1986. Em finais de 1986, a maioria dos títulos mais líquidos está cerca de 10 vezes acima dos valores do início de 1983. Esta formidável performance começa a atrair as atenções, e é então que muita gente entra na Bolsa (eu entrei em Julho de 1986 com 30 contos!). A grande subida entre 1983 e 1986 tem sido, muitas vezes, ignorada nas análises, eclipsada pelo que se passou no ano seguinte, 1987, o ano de todas as loucuras. No entanto ela foi fundamental e muito acentuada: 42% em 1983, 14% em 1984, 150% em 1985 e 69% em 1986! (dados do índice Global do software Finbolsa). Essa performance está expressa no gráfico que se segue. Veja como o volume dispara em 1986 (em 1983-84 o volume negociado médio era de pouco mais de 1000 contos por dia!).




A subida desde 1983 a 1986 estava bem fundamentada, teve como base vários factores muito favoráveis: a descida das taxas de juro (desde 1985) dos 28% para cerca de 18%, o contínuo aumento dos lucros das empresas, o simples acompanhamento pelas acções da forte inflacção imobiliária, já que a maioria das empresas detinha um significativo património imobiliário, a descida do preço do petróleo, a entrada de Portugal na CEE e a vitória de Cavaco Silva em 1985 (não que os governos deste tenham sido mais favoráveis à Bolsa e ao capitalismo do que os de António Guterres, mas essa semelhança era pura e simplesmente ignorada em 1983-85... Nessa fase, os tempos da revolução e do PREC ainda estavam nas memórias de todos e, para a maioria das pessoas, PS e PSD pareciam bem diferentes...). Por tudo isto, cotações e volumes aumentam, e cada vez mais gente ouve falar da Bolsa, até aí esquecida pela geração pós 25 de Abril. O Expresso publica uma página, escrita por Acácio Gomes, sobre a Bolsa (é, nesse tempo, praticamente o único jornal a fazê-lo) que começa a atrair alguma curiosidade.

Dá bem uma ideia de como a política, naquele tempo, contava, o facto de o índice BTA (o índice de referência até aparecer o BVL 30 em 1990) ter subido 40% em Janeiro de 1986, após a vitória de Freitas do Amaral sobre Mário Soares na primeira volta das eleições presidenciais (desceria parcialmente após a segunda volta, com a vitória do segundo). Veja esse movimento no gráfico seguinte.




Em finais de 1986, um grande número de empresas faz subscrições públicas e entra na Bolsa. Algumas emissões tornam-se famosas como as da Marconi, BPI, Crisal, Sofinloc e Inapa. Assim, o número de empresas cotadas aumenta para cerca de 40. Os volumes aumentam e uma onda de euforia atinge a Bolsa, a partir de Outubro. Em Novembro e Dezembro há algumas correcções devido a um acelerar de subscrições públicas que secavam capitais no mercado.

Antes de fins de 1986, pode-se dizer que só os visionários investiam na Bolsa. Alguns investidores de longo prazo muito bem sucedidos compraram Marconi a 200$ em 1982 e venderam-nas a mais de 20 contos na alta de 1987, conseguindo multiplicar o capital mais de 200 vezes. Performance ainda melhor conseguiu quem investiu na Caima e ficou sossegado com as acções até meados de 1987... Mas devem-se contar pelos dedos aqueles que, no país todo, realmente o fizeram!

(Seguinte: Janeiro a Outubro de 1987 - A Louca Cavalgada)