S e p a r a r  o  t r i g o  d o  j o i o
     

  
Livraria | Software Finbolsa | Slide show Finbolsa | MetaStock 11 | Cotações por Email

Mapa do site

Curso Online | Loja Finbolsa | Tour Histórico | Links | FAQ

< Homepage | Contactos

  
Painel de Empresa
O essencial para avaliar uma empresa
Tendências
Gráficos de curto e longo prazo de índices/acções
Navegação Histórica
Portugal desde 1983
Espanha desde 1986
Dow 30 desde 1900!
Cotações fim-de-dia
Para 10 mercados e índices
Masterlist essencial
PER, PCF, PBV, Div. Yield e outros rácios essenciais
Análises e Artigos
Análises por empresa
Análises desvinculadas
Artigos desvinculados
An. e Art. mais recentes

Balanços
Balanços e Dem. Res.
Dados Económico Fin.
Dados Trimestrais

Rácios
Económico Financeiros
Económico Bolsistas
Bolsistas

Tabelas Comparativas com exemplos
V.Nominal, NºAcções
Lucros Corrig. e Prev.
Res., C.Flow Operac.
Vendas, S.Líquida
Aut.Fin., Rent., Margem
Lucro/Ac, Div/Ac, Prod.
C.B., E.V., EV/EBITDA
High, Low, YtoDate
Volati., Beta, Intraday

  
Participe na Competição Global!
  
  
Análise ou Artigo de Draga-minas
< An. e Art. deste autor  |  An. e Art., por empresa  |  Análises, por ano  |  Artigos, por ano
  
O suicídio do Ocidente
Por Draga-Minas , 14/10/2014

O declínio económico e político do Ocidente foi previsto e explicado por historiadores franceses nos anos 60, como Braudel e Pierre Chaunu. A deslocação do "centro do mundo" da Europa para os EUA e dos EUA para o Extremo-Oriente eram apresentadas como fenómenos estruturais mais ou menos inevitáveis.

Estes historiadores não previram, porém, que a iniciativa desta transferência de poder partiria do próprio Ocidente, e nomeadamente da dinâmica do modelo capitalista num contexto de aceleração da globalização económica. Nesse ponto, Marx, um século antes, fora mais assertivo.

O Ocidente implode no capitalismo globalizado. Primeiro, são as fábricas das multinacionais ocidentais que se deslocam para o "Terceiro Mundo" à procura da mão de obra barata. Segundo, o desemprego industrial dispara no Ocidente e com ele o desemprego em muitas outras áreas. O Ocidente desindustrializa-se e, aos poucos, enquanto perde a guerra da produção a favor dos "BRIC", a sua riqueza passa a depender das matérias-primas, noutros tempos alegremente saqueadas ao Terceiro Mundo. Países como a Holanda, a Noruega ou a Austrália, vivem hoje à sombra dos seus recursos naturais, que são finitos, e na ilusão de que se trata de uma riqueza sólida, "natural" do "mundo industrializado" ou "Primeiro Mundo", quando na verdade os conceitos de Primeiro, Segundo e Terceiro Mundo estão moribundos. A África permanece a única exceção.

O desenvolvimento induzido pelo investimento das multinacionais ocidentais nos BRIC torna-se sustentado e reprodutivo, à medida que as sociedades dos "gigantes adormecidos" se tornam exigentes e emancipadas política e culturalmente e aceitam as regras da globalização. Então, vemo-los desenvolverem as suas próprias multinacionais, que vão concorrer com as ocidentais e ultrapassá-las. Nomes como Philips, Siemens e Cisco vão deixando de ser usados, a favor de Huawei, Samsung ou Embraer.

A Alemanha, dos poucos países ocidentais que continua a produzir em larga escala, alimenta a ilusão de que os seus Mercedes e Porsches e a sua indústria química serão os melhores do mundo para sempre. Os Estados Unidos não admitem que a sua dinâmica científica e académica venha a ser disputada, quando já o está a ser. Hollywood e a Disney julgam que continuarão a impor alegremente o american way of life nas mentes e nos corações das gerações "globalizadas", ignorando que a competição global se fará, também, no campo da produção simbólica e artística (filmes, séries, narrativas de todos os tipos, música e culturas juvenis).

Vamos pensar que a prazo as coisas tenderão para um equilíbrio, e não para a transformação do Ocidente num novo Terceiro Mundo. Mas, para já, o que vemos é o Ocidente a virar contra si próprio a pistola que ele próprio concebeu.



Mais artigos de Draga-Minas